Sem categoria — 31/07/2019 at 22:02

Etec Trajano Camargo desenvolve cera para proteger frutas

por

26 de julho de 2019

Você sabia que, de cada dez maças cultivadas, três vão parar no lixo? E que essa conta, divulgada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, vale para a maioria dos alimentos in natura? Conscientes desses altos índices de perdas, alunos da Escola Técnica Estadual (Etec) Trajano Camargo, de Limeira, pesquisaram novas tecnologias para aumentar a durabilidade das frutas e combater o desperdício. O resultado foi a criação de um revestimento plástico biodegradável e comestível, à base de produtos naturais que, aplicado sobre as frutas, ajuda a manter o frescor e retardar o processo de decomposição.

O projeto Longa vida às frutas é resultado do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da turma do terceiro ano do curso técnico de Química integrado ao Ensino Médio, que pesquisou três tipos de matérias-primas para a produção do bioplástico ou glaceante, nome que recebe essa técnica empregada para dar proteção e brilho às frutas. O TCC comparou tipos de película para definir qual é mais eficiente e viável comercialmente.

Nos testes para produção do revestimento foram utilizados extratos de cascas de laranja, maracujá e batata. Junto a essa película biodegradável e comestível foi aplicada uma camada de própolis da cera de abelha para aumentar a ação antibacteriana da película.

Os testes apontaram que o revestimento de própolis alcançou maior durabilidade se comparado ao bioplástico. A professora e orientadora do projeto, Gislaine Delbianco, explica que a aplicação da película derivada de extratos da casca de frutas e batata também funciona para atrasar o processo de perda, mas se mostra mais eficiente quando usada com o própolis, substância mais adequada como antibactericida natural.

A avaliação dos alunos é que o uso de películas protetoras pode ser uma solução e ainda trazer ganhos sociais e ambientais. De acordo com a pesquisa, toda a cadeia agroindustrial deve ser beneficiada: o produtor de mel, o varejo e as indústrias de citricultura, sucos e geleias, que podem dar novo uso aos resíduos da linha de produção.

O projeto de TCC da Etec Trajano Camargo está alinhado com as metas 3 e 12 do Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que estabelecem a redução do desperdício de alimentos per capta e reduzir todas as perdas ao longo das cadeias de produção e abastecimento.

Clique aqui e veja a publicação desta matéria no site do Centro Paula Souza

Reportagem do portal G1 – Campinas e Região